PDT Diversidade: A polêmica Ciro Gomes, Márcia Tiburi e Jean Wyllys


Reproduzimos na íntegra o comunicado do PDT Diversidade Nacional, presidido por Amanda Anderson, sobre a fakenews de que Ciro Gomes teria “atacado” Márcia Tiburi e também sobre a reação do ex-deputado do PSOL, Jean Wyllys, sobre o tema. A nota é assinada por Henrique Teodoro e foi publicada na página do facebook do PDT Diversidade.

Por Henrique Teodoro.

Como era de se esperar, a fala sobre o candidato a presidência do Brasil em 2022 Ciro Gomes, sobre a ex-candidata pelo PT ao governo do Rio, Márcia Tiburi tem dado o que falar.

Fake News a parte, é interessante perceber que a fala do Ciro Gomes foi direcionada ao entendimento secular que os partidos de direita têm sobre as reivindicações de minorias, dentre elas as minorias sexuais. Para quem leu ou assistiu inteiramente a entrevista de Ciro Gomes à BBC, pôde notar que ele relacionou os duros ataques que os neoconservadores têm realizado contra a esquerda como um todo, baseado nos preconceitos estúpidos sobre os debates ocorridos na academia.

Com efeito, o fato de que esses ataques dos religiosos neoconservadores a um aspecto superficial da obra de Márcia Tiburi, que se refere ao ânus, acaba sobrepesando ao todo, que é uma vasta e respeitada obra sobre feminismo, democracia, fascismo e outros temas relevantes. Esse aspecto da obra de Márcia, vulnerabilizou sua campanha, resultando numa votação desmerecedora de seus méritos, que foi de 5,8% dos votos válidos na última eleição para governadora do Rio. E era essa a observação de Ciro.

Não obstante os inúmeros graves fatos que circundam a sociedade brasileira, Jean Willys em coluna para o Portal Uol, respondeu ao Ciro, dizendo que ele esta freudianamente contido em sua fase anal.

Após intensos debates no PDT Diversidade Nacional, resolvemos nos dirigir a essas críticas, embora feitas ao Ciro, mas em um tema que é muito caro a nós e ao nosso PDT.

Jean Willys, outrora um deputado das minorias no Congresso, hoje resolve divergir daquele que se propõe a engajar 14 milhões de votos recebidos em 2018 e que com muita coragem, encampa os desejos daqueles que querem se ver longe do fascismo, para o dessabor dos grandes conglomerados e monopólios do nosso país com argumentos que circundam o espectro da arrogância à fantasia.

Estar preso na fase anal, descreve Sigmund Freud, significa não ter superado uma fase do desenvolvimento da nossa primeira infância o que vem a influenciar o inconsciente daquele analisante. Ora, não consta que apesar de ex-congressista, ex-jornalista e professor universitário, Jean seja psicanalista. E, veja bem, mesmo se fosse, não seria muito ético para qualquer analista sair por aí diagnosticando neuroses de quem quer que seja, de quem não tenha pedido ou de quem não tenha ataques histéricos a frente dos olhos da nação, como seu antigo opositor de parlamento, Jair Bolsonaro, a quem a destemida oposição de Willys causou vários desgostos – outros tempos, não?

Tal diagnóstico poderia facilmente ser direcionado ao próprio Jean Willys se analisado pela égide da projeção, no entanto, não é o que se faz e não é o que se deve fazer. Tais diagnósticos devem ser preservados sob a confidência do divã, para e com aquela pessoa que você confia e não prescinde, a psicanalista registrada.

Jean Willys ainda, não que sejamos seu analista, assumiu um surpreso sintoma de negação, uma vez que esqueceu-se completamente das vezes em que sua atuação deixou a desejar para a população LGBTI+, como no caso em que deixou que sua ex-assessora Indianare fosse expulsa do PSOL, sem sua defesa, sem a garantia do rigor que se exige daqueles que saem a acusar os outros no campo desregulado da internet. Bem como esquece de suas posições esquivantes e dúbias sobre a questão árabe-israelense sobre acusar Ciro de ser um homem rico e branco enquanto ele próprio já há muito não é pobre e que parece pensar que teremos todos condições de encontrá-lo para alcovitar em seu exílio, caso a situação no Brasil desgringole em fascimo bruto tendo nós poucos homens cis brancos e héteros tão corajosos quanto Ciro em combater esse amargor da democracia. Jean hoje usa e abusa de sua posição na academia para criticar confortavelmente aqueles que não tiveram opção senão fazer o debate às claras, sob as armas e falácias de um movimento direitista e neonazista.

Negar que Ciro hoje representa uma parcela gigantesca do eleitorado é negar o óbvio. Negar que seu eleitorado advém de diversas vertentes da sociedade é negá-lo também. Talvez queiram beneficiar o PT que inoportunamente vem agonizando pela soberba e pouca aventurança de seus bondosos líderes. Ao ver Ciro sinalizado como a opção da esquerda frente os desmandos da Era Temer-Bolsonaro, resta aos detratores e desesperados mentir.

Hoje, o PDT é o único partido da América Latina que tem um Movimento de Diversidade LGBTI+ constituído, presidido por uma mulher trans, Amanda Anderson, que viu feliz crescer o número de filiados a uma taxa de 500% em 3 anos. Busca o diálogo com todos os partidos de esquerda e de centro, pois acredita que, no longo-prazo, as vantagem das democracia superam seus defeitos. E que vem fazendo um trabalho extenuante de conscientização sobre a LGBTIfobia de diversos meios, sendo a mais comum a dos espaços institucionais que faz que pessoas confundam o identitarismo com bagunça ideológica e que afeta silenciosamente a cabeça de muitos brasileiros que também querem o bem-comum.

E, no dia em que tais reportagens ocorrem, Ciro Gomes se encontra, junto com membros da executiva nacional do PDT Diversidade, recepcionando Duda Salabert, em Belo Horizonte-MG, com uma aula sobre exclusão e Plano Nacional de Desenvolvimento, como forma de evitar esse fato excludente, o preconceito.

Desmerecer que Ciro é do partido da Amanda Anderson é desmerecer o trabalho de uma mulher trans que luta incansavelmente pelos direitos das transsexuais, lésbicas, gays, homens trans, não-bináries, héteros felizes bem-resolvidos e todos os trabalhadores do nosso país.

Confira o original no facebook:

Por Henrique Teodoro.Como era de se esperar, a fala sobre o candidato a presidência do Brasil em 2022 Ciro Gomes,…

Posted by PDT Diversidade on Monday, September 16, 2019

+ Não há comentários

Adicione o seu